Acesse o Portal CIIC

O QUE VISITAR?

O Santuário Santa Paulina tem mais de 30 pontos de visitação. São locais de oração, contemplação, meditação, mas também de reflexão sobre a vida e a obra de Santa Paulina. Clique no botão abaixo para ver o mapa e se localizar no complexo.

O Casebre

Um dos lugares mais visitados do Santuário, o casebre é uma réplica do original, construído em 1988. Foi assim que a obra da Imaculada teve a sua origem. Um lugar, um coração tomado de compaixão e sensibilidade e uma dor a ser amenizada. Neste local, Amábile e Virgínia acolheram e cuidaram de Ângela Viviani.

Além do mobiliário da época, encontra-se neste lugar de 6m por 4m, documentos do nascimento, batismo, crisma de Santa Paulina, bem como a certidão de casamento de seus pais e a foto da casa onde nasceu em VígoloVattaro – Trentino Alto Ádige – Itália.

Há também um quadro de São José, réplica do original (imagem diante da qual, muitas vezes disse: “São José, pensai vós por nós”, pois o santo é o patrono e provedor da obra que ela fundou). Devoção que as Irmãs cultivam desde a época da fundadora; a cama da cancerosa e uma foto do Sr. Benjamin Galotti (doador do Casebre). Este é um lugar todo especial, onde os visitantes emocionam-se e sentem-se como na casa da santa.

Capela das Irmãs

Construída no local onde se encontrava o antigo Casebre, início da obra da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição. Aqui ocorreu a primeira oração comunitária a São José. Aqui o grão de trigo foi plantado, morreu, cresceu, frutificou. O Casebre com o tempo foi transformado em capelinha e recebeu em um painel, a pintura da cena de Santa Paulina junto a doente. A placa comemorativa traz os dizeres: Aqui morreu a cancerosa e nasceu a Congregação.

Casa do Colono

Duas casas rústicas de madeira, cujo mobiliário é composto de utensílios, que Santa Paulina e também os imigrantes italianos usavam em suas casas. Elas encontram-se em frente à Praça da Igreja Nossa Senhora de Lourdes. Construída por Gentil Cipriani e Raul Capraro, a obra teve inicio no dia 16 de outubro de 2000 e inaugurada em 30 de junho de 2001, no primeiro dia da Novena da festa da Bem-Aventurada Madre Paulina.

O objetivo é conservar a memória dos antepassados, seus costumes e sua maneira de viver, incluindo Santa Paulina e as primeiras Irmãs.

Casa das Graças

Inaugurada a 10 de julho de 2011, a Casa das Graças foi um sonho das Irmãzinhas, dos devotos e peregrinos de Santa Paulina. Decididas a construírem a Casa das Graças, a pedra fundamental foi lançada dia 09 de fevereiro de 2009.

Com 373 m², o espaço que lembra a arquitetura do Santuário, acolhe os objetos da beatificação, da canonização e os ex-votos dos peregrinos. Lugar de lembrança, do louvor, da gratidão, do testemunho de quem experimentou a grandeza e o amor de nosso Deus, pela fé e perseverança, por meio de uma graça.

Capela Nossa Senhora de Lourdes

No período de 1876 a 1879, foi construída pelos moradores da localidade, a capela de São Jorge. Em 1879, a comunidade recebe o Pe. Servanzi que realiza durante oito dias, uma missão. Neste período ele também benze com grande solenidade, a mesma capelinha. Antes mesmo de concluir a obra de construção da capela, os moradores planejaram a construção de uma bela Igreja e mais tarde, com o apoio do Pe. Marcello Rochiiniciaram a construção da mesma. Por motivação e devoção do sacerdote, a nova Igreja foi dedicada a Nossa Senhora de Lourdes.

No ano de 1888, chegou da França a imagem da Virgem de Lourdes, que ficou na Igreja de Nova Trento até o dia 11 de fevereiro de 1889. “Em 11 de fevereiro de 1890, depois de um tríduo de preparação inaugura-se a Gruta e colocaram nela a Imagem da Virgem Imaculada de Lourdes” (Cf. Madre Doroteia, Ic. P.22).

Neste mesmo período que se inaugura a gruta, é demolida a capelinha de São Jorge, e em seu lugar é erguido o pequeno santuário. “Após poucos anos, conseguiram levantar o Santuário dedicado a Nossa Senhora de Lourdes”. (Cf. Madre Doroteia, Ic. P.22)

No dia 11 de fevereiro do ano de 1895 conforme descreve o Diário Della Residenza, foi feito a bênção do novo santuário. “Bem cedo, muita gente foi à festa da Virgem de Lourdes. Estava lá desde a tarde anterior o Pe. Manardi. Foi ainda o Pe. Parisi, para ajudá-lo nas confissões. Mais tarde, foram os padres Sabbatini e Rocchi. A missa foi cantada “interzo” com o acompanhamento da banda de música de Nova Trento. Benzeu-se o no Santuário, levou-se em procissão a estátua da Imaculada. Todas as filhas de Maria de várias valadas. “Entramos na Igreja, o Pe. Rocchi disse algumas palavras ao colocar a estátua no nicho da gruta. Todo o povo replicou três vezes: “E viva Maria”. Depois, no Evangelho, pregou o Pe. Manardi. Após a missa, seguiu-se a bênção do Santíssimo Sacramento.

No dia 19 de outubro do ano de 1991, um dia após a beatificação de Madre Paulina, é colocada a imagem da beata, e o lugar histórico passa a receber muitos romeiros que chegavam a Vígolo para agradecer a Deus pela intercessão de Madre Paulina e para fazer seus pedidos.

Dom Eusébio Oscar Scheid, então Arcebispo de Florianópolis, no dia 09 de julho de 1998, data comemorativa da festa litúrgica de Madre Paulina, tornou público a Igreja de Vígolo, como Santuário Madre Paulina, até ser construído o novo Santuário em honra abem aventurada Madre Paulina.

Museu de Seda

Próximo do último estacionamento e nos fundos das lojas, há uma réplica da fábrica de seda que Santa Paulina com suas companheiras construíram e trabalharam, encontrando neste empreendimento, condições de empregar muitas famílias e manter a obra que estava apenas iniciando. Esta fábrica sustentou a Congregação por mais de 20 anos, ganhando inclusive menções honrosas, sendo uma de reconhecimento internacional, pela qualidade da seda produzida.

Cenário Vivo da Vida de Santa Paulina

Dirigindo-se para dentro do portal que dá acesso à Colina Madre Paulina, o peregrino poderá conhecer um cenário mecanizado, da vida de Santa Paulina, desde sua infância até a canonização. É uma forma criativa e original de contar a história desta mulher que deu a sua vida para amar a Deus e servir aos irmãos e irmãs.

Inaugurado no dia 24 de dezembro de 1995, com a benção do Padre Vicente Konzen de Nova Trento. O Cenário nos mostra partes importantes da vida da Santa. Alguns acontecimentos vividos em VígoloVattaro (Trento- Itália), a partida da França no navio San Martin, até momentos importantes em Vígolo- Nova Trento. Bem como fatos vivenciados pela Santa em São Paulo no Ipiranga e em Bragança. A apresentação conclui-se com a cena da Beatificação pelo Papa João Paulo II, em Florianópolis.

O Cenário foi idealizado por Irmã Maria Monfort, auxiliado por Irmã Ligia Maria e outras Irmãs da comunidade. O autor da obra é o Sr. Francisco Minatti.

Praça de Glorificação

Esta praça é assim chamada porque compõe a cruz da beatificação, a nova Casa das Graças e a Capela da Canonização.  No dia 19 de maio do ano de 2002, quando na Praça de São Pedro em Roma, Santa Paulina era canonizada pelo Papa João Paulo II. O povo de Deus estava reunido com o Bispo Auxiliar Dom Vito Schillkmann, celebrando a Eucaristia. Nesta mesma ocasião, em momento festivo e de ação de graças em meio aos fogos foram erguidas as conchas das máquinas, caçambas e os guindastes, anunciando a ordem de dar início a construção do Santuário Santa Paulina. Nesta mesma praça encontra-se a Ermida da Canonização.

Caramanchão

No dia 08 de março de 2001, teve início a construção de uma estrutura para fixar quatro painéis, trazendo o desenho da infância de Jesus em azulejo, contemplando o marco do Jubileu que representa o nascimento de Jesus.

Os painéis trazem as pinturas dos fatos:

Anunciação do anjo a Maria (Encarnação do Verbo);

Visitação da Virgem Maria a Isabel (Encontro de Jesus com João Batista)

Apresentação de Jesus no Templo;

Jesus Menino entre os doutores da lei.

A inauguração se deu no dia 14 junho de 2001, por ocasião da festa de Corpus Christi. A procissão, pela primeira vez na história de Vígolo, se deu na parte detrás da Igreja.

Marco do Milênio

No dia 08 de março de 2001 teve início a construção de uma estrutura para fixar quatro painéis, trazendo o desenho da infância de Jesus em azulejo, contemplando o marco do Jubileu que representa o nascimento de Jesus. A partir de 1990, com as comemorações do 1º Centenário da Congregação, iniciaram-se a construção de vários marcos, para lembrar os fatos históricos. Com este projeto surgiu o desejo de construir um monumento para lembrar o nascimento de Jesus, com símbolos do Natal.

O monumento possui 15 metros de altura, com quatro patamares. Tem na base uma gruta onde está o presépio, com figuras em tamanho natural. Em dois patamares estão postadas imagens de anjos de 2,80 metros de altura, com asas estendidas e cornetas, anunciando o nascimento de Jesus. Na base, um painel alusivo ao Ano Jubilar. Do último patamar pende um sino encimado por uma estrela de 4 metros.

Cruz da Beatificação

Com 12 metros de altura, essa cruz é uma réplica da cruz erguida em Florianópolis, na Praça da Beatificação, em 18 de outubro de 1991, quando Madre Paulina foi beatificada pelo Papa João Paulo II, por ocasião da sua segunda visita ao Brasil.

Ermida Santa Paulina

Inaugurada a 19 de maio de 2002, dia da canonização de Santa Paulina. Tem o formato de uma cruz e as paredes erguem-se como mãos em oração, encimadas pela cruz. No seu interior, o peregrino pode desfrutar de paz, acompanhada do som de um fio de água que corre naturalmente. Um lugar de memória, para orar e contemplar a grandeza de Deus.

Cruz Símbolo da Jornada Mundial da Juventude

Inaugurada no dia 13 de janeiro de 2013, a Cruz Símbolo foi erguida em frente à Casa das Graças no mesmo dia em que passou a Cruz original da Jornada Mundial da Juventude pelo Santuário Santa Paulina. Centenas de jovens acompanharam a cerimônia religiosa, que foi presidida pelo Arcebispo de Florianópolis, Dom Wilson Tadeu Jönck, na companhia de toda a diretoria do Santuário e da Superiora Geral da Congregação das Imãzinhas da Imaculada Conceição, Irmã Anna Tomelin.

“Esta Cruz quer evangelizar a juventude, fortificar a fé e dar esperança. Assim como a Cruz Peregrina, que acolheu os jovens no Ano Santo, em Roma, esta Cruz inaugurada hoje no Santuário se torna um marco, e é neste local que os jovens poderão realizar eventos, lembrando sempre da passagem da Cruz da Juventude”, enalteceu a Diretora Geral do Santuário, Irmã Maria Adelina da Cunha.

Anjo da Guarda

Ao lado do bambuzal, na direção do Santuário, atrás do restaurante e após o lago das aves, há um recanto para as crianças, com água, e o Oratório do Anjo da Guarda. Neste local ficava o moinho onde Amábile e Virgínia faziam o fubá e partilhavam o sonho de viverem para Deus e ajudar as pessoas que precisassem delas.

Cruzeiro

Retornando do Recanto do Anjo da Guarda, subindo à direita, no meio da vegetação, próximo à cascata que dá acesso ao Oratório de Nossa Senhora de Aparecida, vê-se uma cruz num pedestal de 3.30m de altura, por 2,10 largura, em ferro maciço e cristal, doado por um devoto. Representa a paixão e ressurreição de Cristo.

Cruzeiro

Mais um local dentro do espaço ecológico do Santuário, onde se pode contemplar a exuberância da natureza.

Velários

Ao lado do Museu Colonial, no Oratório de Nossa Senhora Aparecida e da Ermida, o peregrino encontra velários, para a realização e cumprimento da sua promessa.

Trilha Mariana

As matas que embelezam o Santuário trazem consigo uma riqueza imensa de fauna e flora. Várias nascentes de água correm o ano inteiro de forma generosa e cristalina. Ao lado da Casa das graças, atravessando a rua e ao fundo de um grande estacionamento, chega-se a entrada da Trilha Mariana, inaugurada em 9 de fevereiro de 2009. O Poço da Samaritana dá acesso a trilha. São cerca de 80 metros dentro da mata á beira de um fio de água que desce da gruta. Ao longo do caminho, painéis em azulejo dos títulos mais conhecidos de Nossa Senhora pelo mundo. Chegando na gruta, o peregrino avista a imagem de Nossa Senhora de Lourdes e Bernadete. O silêncio é rompido apenas por um fio de água deslizando nas pedras e o canto dos pássaros. Um convite à experiência, contemplação e à oração. (Acesso ao calvário pela esquerda)

Colina de Benção

Na manhã ensolarada de domingo, 8 de julho de 2012, foi inaugurada a Colina da Bênção. Uma estátua de Santa Paulina, medindo 3 metros de altura, com outros 3 metros de pedestal foi colocada próximo ao Calvário. Os devotos podem ter acesso ao espaço pela escada da Rosa Mística, ou pela Trilha Mariana. No local, encontram também um velário, um quadro com o testamento de Santa Paulina e um recanto aconchegante, com uma bica d’água. A estátua foi confeccionada pela empresa Pietá Arte em Cimento, cujo diretor responsável é Antonio Eugênio Brazzale. Os artistas responsáveis pela peça foram Ananías Francisco dos Santos (escultor) e Adalberto Nunes Mariani (responsável pela pintura artística).

Agradecimento à empresa Bondinhos Aéreos Parque Colina, que patrocinou a imagem de Santa Paulina para a Colina da Bênção.

Segundo a Diretora Geral do Santuário, Irmã Maria Adelina da Cunha, Santa Paulina deixou registrado, no texto final de seu testamento, a seguinte mensagem: “Deixo-vos a minha bênção”. “E, em todas as correspondências, ela sempre encerrava com a mensagem ‘Deixo a minha bênção’. Ela sempre deu muito valor à bênção”, conta. Na mão esquerda, Santa Paulina traz uma enxada, símbolo do seu trabalho. E, com a mão direita, Ela dá a bênção aos devotos.

Calvário

Em 6 de abril de 2007, o novo calvário foi inaugurado, o que antes era apenas uma plantação de mandioca torna-se um belo local para contemplar e rezar com a Cruz de Cristo. Neste lugar, todos os anos, na Sexta-feira Santa, pela manhã, os peregrinos e devotos realizam a via sacra.

O primeiro calvário com estátuas em tamanho natural e as quinze estações da Via-Sacra foi erguido no local onde hoje se encontra o Santuário Santa Paulina. Com a ordem de construir o novo Santuário, foi preciso retirar o monumento do local e encontrar um novo espaço.

Oratório Nossa Senhora Aparecida

Após percorrer a trilha e chegar a cascata, à direita encontra-se o Oratório de Nossa Senhora Aparecida, que lembra o 1º centenário da sua coroação como padroeira do Brasil, em 2004. É também o marco da 1ª peregrinação da Arquidiocese de Florianópolis ao Santuário. O oratório está localizado em uma pequena ilha oval, ladeada de árvores e flores. A imagem foi oferecida como presente por nosso Arcebispo Dom Murilo Krieger, que a trouxe do Santuário Nacional de Aparecida – São Paulo, e a entronizou pessoalmente no nicho, no dia 1º de agosto de 2004.

Monumento à casa paterna

O monumento com a imagem da Virgem de Lourdes e o busto de bronze de Santa Paulina foi erguido em 1965, para comemorar o seu primeiro centenário do nascimento (1865-1965). Ao lado deste monumento há um oratório em honra a Nossa Senhora. Neste local a santa viveu com seus pais, até o momento em que tomou para si, os cuidados de Angela Viviani, em 12 de julho de 1890, data que deu origem à Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição.

Ao fundo, o visitante pode contemplar cinco painéis que mostram cenas do cotidiano da jovem Amábile:

1º Painel: Com desenho: Pai e filha conversando. Em 1876, vindo da Itália, NapoleoneVisintainer com a sua família, instalou-se neste local. Ali Amábile permaneceu até 1890

2º Painel: Amábile, em uma conversa com Virgínia no moinho de fubá (desenho), disse um dia: “Por que não fazermos um casebre para aí rezar, trabalhar e ajudar os pobres enfermos?”

3º Painel: Sonhos: Uma noite Amábile teve um sonho encantador. Surge uma lindíssima Senhora, que fala, mas ela não consegue entender uma só palavra. Nesta angústia acorda.

Na segunda noite Amábile encoraja-se e houve distintamente as palavras: “Desejo ardentemente que comeces uma obra – trabalharás pela salvação de minhas filhas”. “Mas como Mãe, se não tenho meios e sou tão ignorante e miserável?” Nisto acorda.

Na terceira noite a belíssima Senhora pergunta: “Filha, que decidiste?” _”Lhe servirei minha querida Mãe, mas eu não sou ninguém” _”Dar-te-ei uma pessoa que te ajude. Mais tarde te mostrarei as filhas que quero te confiar.

4º Painel: Padre Augusto Servanzi, SJ, confia aos cuidados de Amábile e Virgínia a catequese, os doentes e a capela de Vígolo.

5º Painel: 12 de Julho de 1980. Amábile e Virgínia acompanhadas por NapoleoneVisintainer, seu pai e do filho Luigi, levam a doente de câncer para o casebre e lhe prestam cuidados. Desse gesto de amor-doação, nasce a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição.

Colina Madre Paulina

Uns dos locais de visitação mais antigos do Santuário Santa Paulina, a Colina Madre Paulina possui uma imagem de bronze de Santa Paulina com a cruz em uma das mãos e em outra a enxada. O local tem também um velário, um mirante com vista para o Santuário, loja de artigos religiosos, água e sorvetes e uma capela decorada com pássaros de cristais.

Durante cinco anos o local ficou com o acesso apenas por bondinhos. Com a paralisação das atividades dos Bondinhos Aéreos Parque Colina em março de 2016 e a rescisão de contrato em outubro, o local foi reaberto em dezembro do mesmo ano para pedestres.

Aberta nas terças e quartas-feiras das 10h às 17h, quintas e sextas-feiras das 9h às 17h. Sábados e domingos das 8h às 18h.